Hipótese: Dimensão Consciencial (Dimecons)

Proponho a hipótese da Dimensão Consciencial, ou Dimecons.

Como assim?

A questão é a seguinte:

Consciência. Para facilitar, vamos chamar essa hipótese apenas de “Consciência“: A Consciência (o Ego, o Self ou seja, nós mesmos) segundo o propositor da Conscienciologia, Profº Waldo Vieira, é algo mais do que energia. Sem saber ainda o que é a Consciência exatamente (como é constituída), sabemos que é ela quem controla e manipula a energia imanente, transformando-a em energia com informação, chamada de energia consciencial.

Consciência-Energia. E essa hipótese chamaremos de “Consciência-Energia“: Pois bem, recentemente, o Profº Laércio B. Fonseca, propôs uma exlpicação baseada na física quântica a respeito da consciência, na qual ela seria uma partícula como um próton, porém com um tipo de vibração diferente das demais partículas. Nesse caso, a Consciência seria matéria, ou seja, energia.

Nos dois casos, cabe a hipótese da existência de uma:

Dimensão Consciencial, ou Dimecons

Visto que, na hipótese da Consciência, se a Consciência é mais do que energia ela deve existir em alguma dimensão específica, se manifestando nas demais a partir do controle da energia imanente.

E na hipótese da Consciência-Energia, sendo ela uma energia que vibra em uma frequência diferente, se autoexcluiria das demais dimensões por afinidade vibratória.

Nas duas hipóteses faz-se necessária a existência de uma dimensão própria das Consciências, a Dimecons, de onde se originariam (inconscientes) e mais tarde (talvez) retornassem (conscientes). Contudo, na hipótese Consciência-Energia ela se originaria no campo (ou na energia imanente) e depois “migraria” para a Dimecons, ao passo que na hipótese Consciência, ela se originaria na Dimecons e de lá não sairia.

Digo que não sairia pois esta hipótese que proponho, da Dimensão Consciencial ou Dimecons, seria uma dimensão que permearia todas as outras não havendo a necessidade da Consciência se deslocar dela para as outras, ela simplesmente lá existe e se manifesta através da energia imanente de todas as demais dimensões, dando-nos a impressão que pertencemos somente àquela dimensão na qual nos manifestamos conscientemente, ou melhor, lucidamente.

Essa hipótese ainda tem que ser mais detalhada e elaborada, mas o que você, Consciência, pensa a respeito disso?

OBS.: Para confirmar essa hipótese seriam necessárias algumas (ou várias) projeções de mentalsoma (corpo mental) para (talvez) começar confirmar ou descartá-la. Como ainda não estou evoluído a este ponto, por enquanto deixo a idéia para que se houver outra pessoa disposta a pesquisar, que fique à vontade!

Anúncios
    • Marcell”
    • 29 de junho de 2011

    Ele propõe que a consciência seja um objeto quântico… o que não implica de maneira nenhuma que ela tenha que ser uma partícula. Pode parecer um erro frívolo, mas não é. Na verdade, faz toda a diferença, e em momento algum o professor tenta falar sobre a natureza da consciência… apenas do seu comportamento (se comporta como um objeto quântico).

    • Fui atrás para entender melhor o que é um objeto quântico e encontrei isso:

      1. Um objeto quântico (como, por exemplo, um elétron) pode es­tar, no mesmo instante, em mais de um lugar (a propriedade da onda).

      2. Não podemos dizer que um objeto quântico se manifeste na rea­lidade comum espaço-tempo até que o observemos como uma partícula (o colapso da onda).

      3. Um objeto quântico deixa de existir aqui e simultaneamente passa a existir ali, e não podemos dizer que ele passou através do espa­ço interveniente (o salto quântico).

      4. A manifestação de um objeto quântico, ocasionada por nossa ob­servação, influencia simultaneamente seu objeto gêmeo correlato – pouco importando a distância que os separa (ação quântica à distância).

      Mas isso não anula a minha hipótese.

    • Marcell”
    • 29 de junho de 2011

    Quanto à hipótese em si: propor que existem outras dimensões que “estão ali” mas não são “sentidas” não é novidade… o modelo da teoria das cordas fala em 10 dimensões da espaço e 1 de tempo e, a grosso modo, é assim que elas se comportam.
    Mas supor que uma dessas seja a “dimensão de origem” da consciência parece um chute cego… seria como dizer que eu tenho um corpo tridimensional, mas a origem dele é a dimensão de profundidade.

    • O que quero dizer com essa hipótese é que pode existir uma dimensão específica da Consciência. A questão da origem pensei por analogia ao inconsciente coletivo proposto Carl Jung (se bem que o inconsciente coletivo está mais para holopensene do que para dimensões), porém utilizei do mesmo princípio de raciocínio.
      E também porque quando o Prof Laércio explica que quando se abaixa a frequencia o comprimento da onda se torna mais largo, amplo, esticado a soma das Consciências acabam por formam um único padrão de frequencia sem perder a individualidade, todos são um e cada um ao mesmo tempo porque cada onda cerebral é única como uma digital porém se interpenetram (quando fora dos corpos), foi por isso que pensei na origem.
      Quando ele diz que a Consciência começa a ganhar individualidade conforme aumenta a frequência, o que quero dizer é que quando ele diz que se abaixa a frequência e a Consciência perde a individualidade, aí pode existir uma dimensão própria, entende?

      Sei que está meio confuso ainda, vou pensar melhor nisso tudo.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: